sábado, 24 de junho de 2017

'Cem anos de solidão' ganha edição especial de 50 anos


A Editora Galera lançou uma edição comemorativa em capa dura dos 50 anos de publicação da obra-prima de Gabriel García Márquez.

Neste que é um dos maiores clássicos da literatura, o prestigiado autor narra a incrível e triste história dos Buendía – a estirpe de solitários para a qual não será dada “uma segunda oportunidade sobre a terra” e apresenta o maravilhoso universo da fictícia Macondo, onde se passa o romance. 

É lá que acompanhamos diversas gerações dessa família, assim como a ascensão e a queda do vilarejo. Para além dos artifícios técnicos e das influências literárias que transbordam do livro, ainda vemos em suas páginas o que por muitos é considerado uma autêntica enciclopédia do imaginário, num estilo que consagrou o colombiano como um dos maiores autores do século XX.
Read More

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Baixe gratuitamente o livro Mortos Sem Sepultura


Em março de 2014 a PalavraCom Editora lançou a obra Mortos sem Sepultura, produzida pelo militar (à época major e atual tenente-coronel da Polícia Militar de Santa Catarina) Marcus Claudino, na qual revelava o drama dos desaparecidos. Ao longo do processo de edição, percebi o quanto a frieza dos números ocultava a dor da ausência inexplicável, sentida por mães (em especial), pais, familiares e amigos.

Claudino elaborou um trabalho de brilhante rigor estatístico e incluiu orientações de larga utilidade aos que vivem ou podem viver esse flagelo. O mais importante: o número de desaparecidos ultrapassa a percepção que a sociedade tem do problema. Todos os anos aproximadamente 200 mil pessoas desaparecem no Brasil, das quais 40 mil são crianças e adolescentes. O dado é assustador: equivale à população de uma cidade brasileira de porte médio.

Desde então passei a enxergar esta situação sob outra abordagem. E sempre que pude, colaborei com a causa de quem procura um ente querido. A ideia de deixar acessível – em PDF – o conteúdo integral da obra Mortos sem Sepultura é outro passo nesta direção. Esperamos que seja proveitosa. As citações são livres, desde que respeitem a fonte.

Read More

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Editora Penalux lança obra de romancista vencedora do Pulitzer


A editora Penalux promove um resgate literário ao lançar o clássico romance Ethan Frome, de Edith Wharton, com a tradução de Chico Lopes. O livro, que é dito a partir da perspectiva do narrador, conta a vida e tragédia do personagem que dá título à obra. Repleto de teor psicólogo, a autora conta uma história de amor repleta de desolação, expectativas, devaneios e frustrações.

De acordo com Tonho França, editor da Penalux, o narrador encontra o personagem principal, Ethan, que conta sobre um triângulo amoroso ocorrido anos atrás. “A partir disso, somos transportados a uma epóca em que Ethan era um homem novo, que se dedicava com total comprometimento a fazenda e a cuidar da mãe.”

Segundo o editor, Ethan expressa um intenso desejo de se libertar do seu modo de vida e de seu casamento com Zenobia (Zeena). “É quando a esposa traz sua jovem prima Mattie Silver para ajudar com as tarefas domésticas, enquanto Zeena luta contra suas enfermidades.”


– Ethan se encanta com esperança para o futuro que Mattie traz e começa a ter pensamentos de um recomeço com ela. Mattie por sua vez também se sente atraída por Ethan. Eles têm o desejo de estarem juntos, mesmo sem manifestarem isso inicialmente. Percendo o envolvimento, a esposa, decide substituir Mattie por outra cuidadora – revela.

A história continua com Ethan e Mattie se declarando. A partir disso, decidem que morrer juntos talvez seja melhor do que viver separados. Porém, uma reviravolta faz com que todos os personagens sejam forçados a sucumbir aos desejos do destino.

Wilson Gorj, também editor, explica que o livro pretende mostrar que o amor costuma ser trágico e que houve uma época em que o peso das convenções sociais era tão forte que esmagava os sonhos. “Trata-se de um clássico. Muitos consideram este livro o melhor trabalho autoral da escritora.”

– Desejamos promover esse resgate literário, trazendo de novo ao público grandes obras, mas que caíram no esquecimento do mercado editorial brasileiro, como outra reedição nossa: “Os papéis de Aspern”, de Henry James – ressalta.

Read More

quarta-feira, 21 de junho de 2017

'A cura da Aids' é o romance de estreia do escritor Dan Porto

O escritor gaúcho Dan Porto lançou seu novo livro no início do mês de junho. 'A cura da Aids' é a estreia do morador de Santa Cruz do Sul no gênero romance. O poeta e contista disponibilizou o livro para leitura gratuita no Wattpad. "Já publiquei no modelo tradicional, independente, artesanal, sob demanda, faltava vivenciar o Wattpad", conta o autor sobre a escolha da nova plataforma de lançamento. 

Sobre o tema do livro, Dan explica que escrever foi sua forma de dizer basta, de se esforçar para que a consciência a respeito do HIV e da Aids atinja mais pessoas. "É preciso fazer alguma coisa, não é lógico que, assim como o câncer, a Aids siga matando e cerceando nosso prazer em uma época em que podemos fazer quase tudo. São tantas coisas a resolver, mas tão poucas pessoas. Quantos mais de nós nos pusermos à disposição para resolver os problemas do clima, das doenças, da economia, da política, mais chances de êxito teremos", diz.

Enquanto escrevia, o ponto de apoio do escritor foi a obra 'Para o amigo que não me salvou a vida', de Hervé Guibert. "Poucos relatos mexeram tanto comigo quanto aquele. A voz de Hervé tem o volume de todas as bocas que exigem a cura. Os espíritos daqueles que tiveram a vida ceifada pela Aids e pelo HIV clamam por nossa ajuda."

Sinopse:
A cura para o HIV/Aids foi descoberta. Vencendo uma intricada rede de interesses, o médico inglês Joseph Trent e sua equipe conseguiram finalizar uma vacina eficiente contra o HIV. Mas governos e grandes laboratórios não desejam que a droga seja testada e produzida. Decidido a continuar, Trent terá de empreender uma arriscada jornada para testar a droga.

O livro 'A Cura da Aids' pode ser livro gratuitamente no Wattpad: w.tt/2rBU7Pc . Mais informações podem ser obtidas no site do autor Dan Porto ou em sua página no Facebook.
Read More

Cineasta Marcos DeBrito lança novo olhar sobre mitos nacionais


A história do Brasil na era colonial foi marcada a ferro e sangue.

Sangue de homens e mulheres trazidos para essa terra estranha, de costumes e crenças alheios aos seus, povoada por seres rudes e mãos prontas para causar dor. Uma terra onde ser livre não era uma opção, nem mesmo na morte. E em meio tantas histórias fortes, foi com a mistura de crenças africanas e ritos religiosos que diversas lendas nasceram. No entanto, com os passar das décadas, muito das cores originais e do terror nelas contidas foram amenizados.

E é para resgatar esse terror original que O Escravo de Capela foi escrito. Aqui nossas lendas não parecem fábulas para crianças. Aqui elas são muito mais próximas do real.

O romance se passa no ano de 1792, auge da era colonial brasileira, quando a produção de açúcar nas fazendas de cana era controlada pelas mãos impiedosas dos senhores de engenho. Os homens acorrentados que não derramassem seu suor no canavial encontravam na dor de um lombo dilacerado o estímulo para o trabalho braçal. Não eram poucos os negros que recebiam no pelourinho a resposta truculenta para sua rebeldia. Pior ainda àqueles que, no desejo por liberdade, acabavam mutilados pelo gume de um terçado. No retorno de um morto que a terra deveria ter abraçado surge o pior dos pesadelos. E como se não bastasse o terror que assombra a casa-grande ao cair da noite, um conflito que parecia enterrado é reaceso, podendo destrancar um segredo capaz de levar todos à ruína.

O Escravo de Capela poderia muito bem ser um romance histórico, pois o drama principal são as relações entre os membros da família Cunha Vasconcelos e as consequências pelo longos anos de tratamento cruel dado aos escravos. Mas o autor é conhecido por entregar uma visão aterradora dos males reais que afetam o ser humano, trazendo terror às suas tramas como representação do pior que existe dentro de nós.

Esqueça as histórias de brincadeiras e estripulias de um moleque travesso. O assobio na floresta não é o aviso de traquinagem, mas o presságio de que o terror se aproxima. O caminhar errante, desiquilibrado e mutilado, é paciente. Porque a vingança vai chegar para todos de Capela.
Read More

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Depois de dois romances premiados, João Carrascoza retorna com força ao conto


Da criança ao adulto, quase todas as idades estão representadas neste livro: o menino, o irmão, o sobrinho, o filho adolescente, o filho casado, o avô... Feitos de silêncios e ausências, regados por certa melancolia, os dezesseis contos que compõem Tempo Justo lembram pequenas epifanias em que os personagens vasculham dentro de si, expondo os sentimentos que os mobilizam nas suas relações afetivas.

No conto que abre o livro, “As coisas mudam as coisas”, por exemplo, o protagonista conduz o leitor ao âmago do seu pensamento, revelando, ainda “com os olhos gordos de sono”, a qualidade dos seus afetos, o estranhamento da adolescência, as transformações em curso que nele percebe. Nesse cenário, está em jogo a possibilidade de aproximação entre pai e filho. Enquanto o homem inventa estratégias de intimidade e enreda o rapaz nessa construção, o narrador perscruta os próprios gostos e gestos.

Em uma atmosfera introspectiva, João Anzanello Carrascoza compõe um quadro singular da vida familiar. Todos os contos são narrados em primeira pessoa e marcados pela sutil linguagem do corpo muito mais que pela fala — mesmo em “Outro mar”, “Entreposto” e “Retrato”, em que a satisfação da convivência é comemorada, a palavra é curta, a comunicação se dá com o olhar, o carinho flui com cuidado.

No primeiro, o mais velho dos irmãos observa o comportamento de sua família durante as férias na praia; no segundo, o caçula acompanha o trabalho do pai ao carregar o caminhão no depósito de cereais; no último, o filho único faz o papel de fiel escudeiro paterno em visita à avó e, depois, ajuda o pai a fazer o carro funcionar sob um temporal.

A figura feminina aparece em quase todos os contos: a mãe, a irmã, a avó, a nora, a filha, a mulher grávida, a namorada. Em dois casos, o autor presta forte homenagem a elas. Em “Irmã”, o texto perde a estrutura narrativa convencional e reverencia o laço fraterno em uma elegia moderna de um só fôlego, com pouca pontuação. Em “Perdão” desdobra-se uma espécie de poema em prosa do filho maduro endereçado à mãe. O tom é confessional, sendo um deles póstumo, ou seja, não há comunicação, é solitário. Já em “Balanço”, Carrascoza retoma a placidez na voz do senhor que descansa, ao lado dos filhos maduros, enquanto reflete sobre o apanhado da vida ao som do burburinho alegre da mulher, filhas, nora e neta.

Tempo Justo oferece ao leitor momentos de puro lirismo, numa reflexão sobre o caráter fugaz da vida e o desejo de permanência. E reafirma o vigor de um dos grandes contistas brasileiros de nossos tempos.
Read More

domingo, 18 de junho de 2017

Livro infantil ensina riscos de empinar pipa perto de rede elétrica


Em A Segunda Chance, novo livro de Roberto de Carvalho, Francisco é um garoto que adora empinar pipas. O problema é que na cidade em que ele vive quase não venta, então quando isso acontece, ele logo sai atrás dos amigos Mauro e Celso para, juntos, se divertirem.

Em uma certa tarde, o menino não encontra os colegas para irem empinar pipa juntos no campinho, um lugar um pouco distante de onde moram. Então, resolve brincar ali mesmo, perto da fiação elétrica, achando que conseguiria guiá-la, mesmo já tendo ouvido os conselhos dos pais para não fazer isso.

O problema é que a aventura não termina nada bem... Ele leva um choque e, gravemente ferido, é internado em um hospital. Mas, quando acorda, não é bem lá que ele foi parar.

"Não sei por quanto tempo fiquei apagado. Quando acordei, estava num lugar estranho, embaixo de uma árvore, sentado num gramado seco. Parecia um parque, mas não tinha brinquedos. As árvores estavam todas desfolhadas, a grama e o céu eram cinzentos. Não havia pássaros, nem vento, nem nada. Só silêncio".

É nesse lugar que conhece Renato, um espírito amigo que ensina a Francisco temas como os riscos de desobedecer aos pais na infância, o poder da fé e a imortalidade da alma.

"Renato não me deixou sozinho em nenhum momento. Quando eu ficava muito triste, ele contava histórias pra me distrair e às vezes até me fazia rir. Um dia, ouvi umas vozes e perguntei o que era aquilo.– Preste atenção – disse ele. – Veja se reconhece de quem são essas vozes.Fechei os olhos e fiquei escutando com atenção.Então reconheci as vozes dos meus pais, dos meus amigos e de muitos parentes".

A obra, publicada pela Boa Nova Editora, está disponível nas livrarias e pode também ser adquirida pelo site.
Read More

sábado, 17 de junho de 2017

Mulher-Maravilha: Iron Studios traz peça inspirada na heroína


No próximo dia 01 de junho, estreia nas telonas do Brasil o aguardado Mulher-Maravilha (Warner Bros). Estrelado por Gal Gadot, que interpreta a Guerreira Amazona, é o primeiro filme dedicado a uma das mais importantes personagens dos quadrinhos, ao lado de Batman e Superman, 76 anos depois da sua criação nas HQs. 

Um dos maiores ícones do sexo feminino da nona arte e cultura pop, a Mulher-Maravilha foi criada pelo polêmico William Moulton Marston em 1941, que curiosamente inspirado pelo "Laço da Verdade", uma das armas da heroína, inventou o polígrafo ou detector de mentiras.

Ela é a Princesa Diana, uma semideusa amazona de Themyscira, a Ilha Paraíso, e filha de Hipólita, a rainha das Amazonas da mitologia grega. Suas origens tiveram diversas alterações ao longo dos anos, Diana foi enfermeira e oficial de inteligência militar, agente secreta, embaixadora entre outras atividades, além de principalmente uma Guerreira Amazona. Com mudanças em sua história e visual ao longo de seus 76 anos, sua essência como maior das heroínas sempre foi a mesma, vinda ao chamado "mundo dos homens" para promover e defender a paz e a justiça. 

Na Semana Mulher-Maravilha, a Iron Studios traz a icônica heroína em sua versão cinematográfica na linha BvS: Dawn of the Justice-Art Scale 1/10. Feita em edição limitada, é produzida com base em referências originais do filme. A peça é fabricada em polystone, pintada à mão e acompanha base. Preço: 299,99.

Detalhes da peça:






Read More

Conteúdo Relacionado

© 2011 Uma Leitora, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena